O samba aflamencado chega ao Brasil. Saravacalé estreia em Sao Paulo!

Um Samba aflamencado ou um Flamenco dos bambas. Poucos podem imaginar esta fusão e poucas são as oportunidades que temos de apreciá-la. Saravacalé nos proporciona ambas as coisas.  O grupo formado por Carolina Delleva (cantante), Irene Atienza (cantante), Valquiria Plaza (percussão brasileira), Lissandro Silva (violão), Martin Laportilla (baixo) e Alberto Perez (percussão flamenca) reúne samba e flamenco com originalidade, formosura e força.

Depois de mais de 4 anos levando alegria aos amantes da música em Barcelona, Saravacalé busca sua sorte na terra de Villa Lobos, Cartola e Tom Jobim (entre muitos e muitos outros). Em entrevista ao Blog em junho deste ano, Irene Atienza, voz flamenca do grupo, já expressava seu desejo de atuar no Brasil e poder mostrar ao povo brasileiro esta afortunada mistura de acentos, cultura e música: “Agora estamos no momento de gravar novos temas e dar o salto a Brasil. Ver o que passa com nossa música do outro lado do oceano. Creio que deveriam conhecer  Saravacalé em Brasil”, contou Irene.

Os primeiros que poderão conhecer  esta fusão no Brasil serão os paulistas. O grupo se encontra na terra da garoa e no próximo dia 15 de novembro se apresentará às 22:00h no Espaço Zé Presidente, rua Cardeal Arco Verde 1545, Vila Madalena, São Paulo. O ingresso custará 20 reais.

Saravacalé inicia suas andanças no Brasil. Estará em São Paulo, capital, todo o mês de novembro e metade de dezembro. Logo se mudará ao interior e passará por São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e São Carlos. A ideia, como conta Irene, é tocar o máximo possível em São Paulo “para divulgar a banda, que as pessoas conheçam nosso trabalho”, enfatiza Irene. O próximo destino será o Rio de Janeiro. Que os cariocas também desfrutem deste presente em forma de música.

SambaConflamenco deseja muita sorte e felicidade aos integrantes do grupo Saravacalé. Que tenham muito sucesso e levem alegria e magia por muito tempo ao povo brasileiro.

Telefone de contato para shows (+11) 99981615

Para escutar mais músicas de Saravacalé entre no myspace do grupo.

Video promocional:

Publicado en Agenda cultural, Em português, noticias | 2 comentarios

Entrevista a Caysa da Silva (Editor e redator do Blog)

Depois de fazer algumas entrevistas foi a minha vez de ser o entrevistado. Convidado pela Radio Complutense contei um pouco de minha experiência como estudante e estranjeiro em Espanha. Se quer saber um pouco de minha vivência e escutar um pouquinho de meu espanhol clique aqui.

Después de hacer hacer algunas entrevistas me tocó ser el entrevistado. Invitado por la Radio Complutense conté un poco de mi experiencia como estudiante y extranjero en España. Si quieres saber un poco de mi vivencia clique aqui

Publicado en Entrevistas | Deja un comentario

Por favor, socorro! (En español abajo)

Por favor, socorro! Estou perdido, com medo, sentindo terror e quase em ataque de pânico Passei quatro meses de férias. Foram tempos lindos, de paz, carinho, fantasia e felicidade.       Agora, estou de volta ao mundo real e não entendo nada. Não sei se quero aterrissar. Ligo a televisão e vejo o discurso de Mariano Rajoy, candidato à presidência da Espanha e provável ganhador da próxima eleição do dia vinte de novembro. Parecem donos da verdade e salvadores da nação. Mas o que vejo são apenas propostas vazias, como sempre. Mudo de canal e salta à vista as imagens da captura e posterior assassinato do ex-ditador da Líbia, Muammar Al-Gadafi. O ocidente felicita a vitória do povo líbio sobre o sanguinário poder autoritário; ano passado o mesmíssimo Gadafi, pessoa então reverente, era recebido sob honras do Estado espanhol. As mesmas armas que mataram a ditadura de Líbia mataram os rebeldes, Itália e Espanha foram os maiores exportadores de armamento ao “governo” de Gadafi nos últimos anos.

Alfredo Astiz "Anjo loiro da morte"

Alfredo Astiz "Anjo loiro da morte"

Basta, mudo de canal. Futebol, ah meu Flamengo perde de 4×2 para o Grêmio, melhor outro.outro. Uma notícia boa e importante, Alfredo Astiz, o “Anjo loiro da morte”, ex-tenente argentino, Chefe de inteligência do Grupo 3.3.2 da Marinha e um repressor símbolo da ditadura argentina é condenado à prisão perpétua por crimes de lesa humanidade (Para ler materia do Carta Maior clique aqui). Parabéns Hermanos, parabéns por esta vitória. Condenar os culpados de ações atrozes em períodos ditatórios deveria ser uma obrigação da condição humana. Fazer justiça e manter a memória viva é garantir a consciência do futuro.

Marcelo Freixo

Marcelo Freixo

Enquanto isto, pela internet, leio no Carta Capital sobre o “exílio”   de Marcelo Freixo. O Deputado Estadual (PSOL-RJ) foi alvo de 27 ameaças de morte, 7 no último mês. O parlamentar que presidiu a CPI das Milícias há dois anos e pré- candidato à Prefeitura do Rio sairá do país por um mês. Preocupado por sua segurança, a Anistia Internacional e a organização de direitos humanos Frontline convidaram Freixo a divulgar no exterior sua luta contra as milícias do Estado do Rio de Janeiro. Em entrevista à Carta Capital, Freixo conta que na época que se instaurou a CPI havia aproximadamente 127 milícias. Depois de três anos e nenhuma ação por parte do executivo do Estado se estima que este número ascende a 300. Cuidado meu Rio, quando o estado perde o controle, o caos se impõe. É hora de protestar.

Chega, cansei de me informar de tanta desgraça. Resolvo descer ao bar, tomar uma cerveja bem gelada e esquecer o mundo outra vez. Porém, se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. Se sentam na minha frente dois espanhóis com cara tristonha. Desempregados, pais de família, sem trabalho há mais de dois anos. Contam suas penas e afogam suas mágoas em um copo de Run com coca-cola. Não quero mais escutar. Pego o jornal para me distrair. O primeiro ministro grego, Yorgos Papandreu, convoca um referendo para decidir sobre o resgate. Toda Europa treme. O presidente da França, Nicolás Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, fazem cara feia. Ai ai ai Grécia, a tua mania histórica de democracia derrubará os bancos e os mercados e todo o nosso lindo sistema escravocapitalista irá por água abaixo.

Yorgos Papandreu

Socorro! Como saber o que pensar? A Grécia está à borda da quebra. Com ela se iria a moeda europeia e possivelmente o projeto europeu. Porém, o resgate, que salvaria a economia grega e por consequência o Euro, deixará o povo heleno pobre e sem dignidade. É melhor morrer com dignidade ou viver sem ela? Papandreu defende que uma decisão tão importante para o país tem que ser ratificada pelo povo. É legítimo o pensamento. Mas o povo, de forma geral, não sabe nem entende o plano de resgate e a única coisa que deseja é não ver suas vidas serem degradadas. O que é justo, mas a realidade da Europa é cruel e os chefes (os mercados, Alemanha e França) têm a ultima palavra.

Hora de ver o que acontece com o soberano do mundo. Ligo na CNN Internacional. Estados Unidos atravessa uma profunda crise. O Estado deve a torto e a direito e perde espaço para a China, donos de grande parte da dívida americana. O povo percebe a inoperância dos políticos e a falta de responsabilidade com o ser humano. O “America way of live” desmorona e os cidadãos caem na realidade que o modo de vida americano já não existe. O que vemos é elitismo, hipocrisia, mentiras e falta de compromisso. Saem às ruas para protestar, algo pouco visto em território Yanke.

Indignados do movimento "Occupy Wall Street"

Indignados do movimento "Occupy Wall Street"

São recebidos com porrada de cassetetes, gás lacrimogêneo e cadeia. Mais uma hipocrisia é evidenciada. United States of America, defensores dos direitos humanos, liberdade de expressão e liberdade de reunião; pimenta nos olhos dos outros é refresco. Quantos discursos vimos a favor da Primavera Árabe, de apoio às manifestações que derrubaram ditaduras. Não obstante, em casa, porrada.

Acredito que atravessamos um momento histórico. Nosso modelo de sociedade fracassou. A ideia de “compre mais compre mais, supere seu adversário” (Musica “Você viu aquele mano na porta do bar” Racionais Mc`s) nos leva diretamente ao abismo. A ganância, o acumulo de capital, as grandes corporações; já não há espaços para novos ricos e sempre haverá espaço para novos pobres.

É hora de abraçar o Mundo!

Chegou a hora de uma revolução. Não desejo o fim do sistema, nem um golpe de estado. É hora de uma revolução de pensamento, uma revolução social, de prioridades. Não será de um dia para o outro, será de um em um, de cada um, de todo nós. A vida é bonita, a natureza é exuberante, os amigos, família, o amor , o carinho, a poesia , a música, a arte. Pensar no bem estar, no bem viver de si próprio e das pessoas que te rodeiam. Promover o progresso sustentável e uma política transparente; lutar por uma economia justa, contra a desigualdade e sobre tudo, almejar a felicidade.

SambaConFlamenco volta das férias com o coração cheio de vida. A situação na Europa  está  se complicando. O grande exemplo Europeu ao mundo do estado de bem estar corre perigo.

Daqui irei narrando um pouco os acontecimentos. Apesar dos problemas e da baixa autoestima do continente estou (Caysa da Silva, editor e redator do Blog) de volta com muita energia.

Observação: o primeiro ministro grego, Yorgos Papandreu, cancelou o referendo para decidir sobre o plano de resgate e pediu demissão do cargo. Grecia formará um governo de coalizão e transição e convocará eleições para o ano de 2012.

Publicado en Opinião | Deja un comentario

Por favor, socorro!

Por favor, socorro! Estoy perdido, tengo miedo, siento terror y casi en ataque de pánico. Estuve cuatro meses de vacaciones. Han sido tiempos lindos, de paz, fantasía y felicidad.

Ahora he vuelto al mundo real y no entiendo nada. No sé si quiero aterrizar. Pongo la televisión y veo el discurso de Mariano Rajoy, candidato a la presidencia de España y probable ganador de las próximas elecciones del día veinte de noviembre. Parecen dueños de la verdad y salvadores de la nación. Sin embargo, lo que veo son solamente propuestas vacías de contenido, como siempre. Cambio de canal y salta a la vista las imágenes de la captura y posterior asesinato del exdictador de Libia, Muammar Al-Gadafi. El occidente felicita la victoria del pueblo libio sobre el sanguinario poder autoritario; el pasado año el mismísimo Gadafi, entonces persona reverente, era recibido con  honores del Estado español. Las mismas armas que mataron a la dictadura de Libia mataron a los rebeldes; Italia y España fueron los mayores exportadores de armamiento al “gobierno” de Gadafi en los últimos años.

Alfredo Astiz

Basta, cambio de programación. fútbol, ah mi Atleti pierde de 3×2 para el Getafe, mejor otro. Una noticia importante y positiva; Alfredo Astiz, el “Angel rubio de la muerte”, exteniente argentino, Jefe de la Inteligencia del Grupo 3.3.2 de la Marina y represor símbolo de la dictadura argentina es condenado a prisión perpetua por crímenes de lesa humanidad. Felicitaciones Hermanos, felicidades por esta victoria. Condenar a los culpables de acciones atroces en periodos dictatoriales debería ser una obligación del ser humano. Hacer justicia y mantener la memoria histórica es garantizar la conciencia del futuro.

Marcelo Freixo

Mientras tanto, en internet, leo en Carta Capital (revista brasileña) sobre el “exilio” de Marcelo Freixo. El Diputado (PSOL-Rio de Janeiro) ha sido víctima de 27 amenazas de muerte, 7 en el último mes. El parlamentar que ha presidido la CPI (“Comissão Parlamentar de Inquérito”. Comisión para averiguar irregularidades en instituciones del estado) de las Milicias* hace dos años y posible candidato a la alcaidía de Rio de Janeiro saldrá del país por un mes. Preocupados por su seguridad, Amnistía Internacional y la organización para los derechos humanos Frontline invitaron Freixo a Europa para divulgar su lucha contra las milicias del Estado de Rio de Janeiro. En entrevista a Carta Capital, Freixo cuenta que en la época que se ha instaurado la CPI había aproximadamente 127 milicias. Pasados tres años y ninguna acción por parte del ejecutivo del Estado se estima que este número asciende a 300. Cuidado mi Rio, cuando el estado pierde el control, el caos se impone. Es hora de protestar.

Ya está, no quiero informarme más, tanta desgracia. Me decido bajar al bar, tomar unas cervezas bien frías y olvidarme del mundo otra vez. Sin embargo, se mire hacia a donde se mire está la realidad. Se sientan dos españoles delante, con caras triste. Desempleados, padres de familia, sin trabajo hace más de dos años. Cuentan sus penas y se curan sus aflicciones en una copa de ron con coca cola. No quiero escuchar más. Cojo el periódico para distraerme. El primer ministro griego, Yorgos Papandreu, convoca un referéndum para decidir sobre el rescate. Tiembla Europa. El presidente de Francia, Nicolás Sarkozy, y la canciller alemana, Angela Merkel, ponen cara fea. Ai ai ai Grecia, tu manía histórica de democracia hundirá los bancos y los mercados y todo nuestro lindo sistema esclavocapitalista se irá a pique.

Yorgos Papandreu

Socorro! ¿Cómo uno puede saber que pensar? Grecia está al borde de la quiebra. Con ella se iría la moneda europea y posiblemente el proyecto europeo. Pero, el rescate, que salvaría la economía griega y por consecuencia el Euro, dejará el pueblo heleno pobre y sin dignidad. ¿Es mejor morir con dignidad o vivir sin ella? Papandreu defiende que una decisión tan trascendente para el país tiene que ser ratificada por el pueblo. Es legítimo el pensamiento. Sin embargo, el pueblo, de forma general, no sabe ni entiende el plan de rescate y lo único que desea es no ver degradadas sus vidas. Lo que es justo. Pero, la realidad de Europa es cruel y los jefes (los mercados, Alemania y Francia) tienen la última palabra.

Llega el momento de pasar al otro continente y ver lo que acontece con el soberano del mundo. Pongo la CNN Internacional. Estados Unidos atraviesa una profunda crisis. El Estado debe a todo dios y pierde espacio para China, dueños de gran parte de la deuda americana. El pueblo percibe la inoperancia de los políticos y la falta de responsabilidad con el ser humano. El “América way of live” desmorona y los ciudadanos caen en la realidad que el modo vida americano ya no existe. Lo que vemos es elitismo, hipocresía, mentiras y falta de compromiso. Salen a la calle para protestar, algo poco visto en territorio Yanke.

Son recibidos a puñetazos, gas lacrimógeno y cárcel. Una hipocresía más es evidenciada. Indignados del movimiento "Occupy Wall Street"United States of America, defensores de los derechos humanos, libertad de expresión y libertad de reunión; “pimenta nos olhos dos outros é refresco”(dicho brasileño, algo como: “picante en los ojos de otros no duele”). Cuantos discursos hemos visto a favor de la Primavera Árabe, en  apoyo a las manifestaciones que tumbaron dictaduras. No obstantes, en casa, puñetazo.

Creo que atravesamos un momento histórico. Nuestro modelo de sociedad ha fracasado. La idea del capitalismo salvaje, de comprar y comprar para ser feliz nos lleva directamente al abismo. La avaricia, el acumulo de capital, las grandes corporaciones; ya no hay espacio para nuevos ricos y siempre habrá para nuevos pobres. Ha llegado la hora de una revolución. No deseo el fin del sistema, ni un golpe de estado.

Es hora de abrazar el Mundo

Es la hora de una revolución de pensamiento, de prioridades. No será de un día al otro, será de uno en uno, de cada uno, de todos nosotros. La vida es bonita, la naturaleza es hermosa, los amigos, la familia, el amor, el cariño, la poesía, la música, el arte. Pensar en el bienestar, en el bienvivir de sí y de las personas cercanas. Promover el progreso sostenible y una política transparente, luchar por una economía justa, en contra la desigualdad y sobretodo, aspirar a la felicidad.

SambaConFlamenco vuelve de las vacaciones con el corazón lleno de vida. La situación en Europa se está complicando. El gran ejemplo europeo, del estado de bienestar, peligra. De aquí iré narrando un poco los acontecimientos. A pesar de los problemas y de mala autoestima del continente estoy (Caysa da Silva, editor y redactor del Blog) de vuelta con mucha energía.

*Milicia: organización criminal formada principalmente por la policía, que domina la favelas y posee una base de influencia política.

*Yorgos Papandreu, Primer Ministro de Grecia, ha renunciado al referéndum y dimitido de cargo. Grecia formará un gobierno de transición y aprobará el plan de rescate.

Publicado en Opinião | Deja un comentario

Volta das ferias!

Ola leitores e leitoras, amigos e amigas!

Depois de um verão especial retorno das ferias. A vida segue, o entusiasmo contiunua. Também a crise e as injustiças, o amor e a paz, o esporte e a cultura, as notícias, as reportagens e a vontade de aprender. Em breve retomarei o blog e espero contar com todos; desejo agradar a muitos e desagradar a uns quantos outros.

Neste momento ainda estou com as obrigaçoes pré-inverno, de mudança e me organizando para a Universidade e trabalho. Entretanto, há um texto que já ronda al redor de minhas ideias.

Muito obrigado por deixar compartir com vocês minhas humildes mas sinceras linhas.

 

Saudações,

 

Caysa da Silva

Publicado en Uncategorized | Deja un comentario

SambaConFlamenco está de vacaciones!

Pido desculpas por el actual ritmo de publicaciones. Estoy de vacaciones, viajando con la familia. En poco tiempo volveré con con mucha energia y artículos interesantes.

Gracias pos las visitas y hasta luego!!!

Publicado en Uncategorized | Deja un comentario

SambaConFlamenco entra de ferias!

Queridos leitores,

peço desculpas pelo atual ritmo de publicações. Estou de ferias, viajando com a familia. Logo entrarei outra vez em ativa. Com todo o gás voltarei com materias interessantes.

Obrigado por prestigiar e até breve!

Publicado en Uncategorized | 2 comentarios

Crowdfunding y la democratización de la cultura (em português abaixo)

Financiado por la multitud

Hace unos meses entrevisté a la directora de documentales Luciana Burlamaqui. Luciana presentaba la película Entre la luz y la sombra en el festival “Documenta Madrid”. La directora me contó la enorme dificultad que tuvo para la financiación y distribución: “tuve que invertir de mi dinero, de préstamos. Las personas (distribuidoras) tienen miedo de salir del formato tradicional de contar una historia. Falta sensibilidad en el mercado”. He visto dos veces el documental Entre la luz y la sombra, es una gran película. Participó en varios festivales y fue galardonado más de una vez. Sin embargo, Luciana tiene problemas en la producción del DVD y ahora utiliza el sistema crowdfunding (traducido literalmente sería “financiado por la multitud”) para recaudar fondos. En su blog, entrealuzeasombrafilme.blogspot.com, se puede comprar una entrada, como forma de donación, para ver la película en una exhibición el día 21 de julio, en São Paulo. Así estarán ayudando en la realización del DVD, y el nombre de cada persona que apoye la producción será puesto en un icono, en agradecimiento. El principio del crowdfunding es algo como “un poco de cada individuo, y al final todos salen ganando”. Luciana Burlamaqui utiliza su propio blog, sin embargo, lo que se está expandiendo son las plataformas de suporte de esta moderna colecta de fondos.

Muchas personas, muchos artistas –como mi propio padre, Luís Sil- escriben libros, hacen músicas o desean desarrollar proyectos, desde artísticos  y periodísticos hasta educacionales. Pero, ¿cómo financiarlos? La iniciativa privada mira siempre los proyectos que darán prestigio a la marca, con famosos o personas con influencia. Presentar el proyecto a una financiación pública es otra opción, pero, tampoco muchas personas se benefician de esta fuente. Surge internet y con ella la democratización de la cultura. Entre sus diversas facetas aparece el crowdfunding. En los EE.UU. empieza a ser un sistema consolidado, con proyectos exitosos en diversas áreas, como cultura, deporte, educación, salud, periodístico. Allá se han da cuenta de ésta gran herramienta y de las posibilidades que puede proporcionar. Aquí en España y en Brasil aún estamos lejos e vale la pena divulgar. La idea de Crowdfunding es sencilla: una persona pone su proyecto en una plataforma (las plataformas suelen cobrar entre 5 y 10% de lo recaudado, como gastos de gestión) con un mínimo de recaudación estipulado para poder realizarlo. Por ejemplo, 10 mil euros para un disco, con un plazo de 3 meses para recaudar los fondos. En este tiempo el dueño del proyecto puede hacer una divulgación. Por otro lado, la plataforma también ayuda a divulgarlo. Al final del periodo fijado, si la cantidad estipulada no es alcanzada, el dinero de quien donó no será cobrado. Esto es así porque solamente se descuenta el dinero del donante si el proyecto llega al mínimo exigido para su viabilidad. Mi proyecto es un disco que me costará 10 mil euros. Al final de los 3 meses llego a esta cuantía. Como recompensa o agradecimiento pondré el nombre de cada donante en la contra capa del disco. Sin duda haré un concierto de lanzamiento del disco y todos los que colaboraron tendrán entradas y una camiseta con el nombre de mi grupo. Mi proyecto es ficticio, pero, así funciona el Crowdfunding. Quien colabora no estará sólo realizando una acción filantrópica, todos los proyectos devuelven el favor con un homenaje o con algún premio.

Muchas nuevas puertas se abren. Las nuevas tecnologías están más vivas que nunca. Internet es mundo poco explorado. Tenemos que estar atentos y apostar por las nuevas ideas.

Publicado en En Castellano, Opinião | Deja un comentario

Crowdfunding e a cultura para todos! (en breve en español)

Financiado pela multidão

Há uns meses entrevistei a diretora de documentários Luciana Burlamaqui. Luciana apresentava o filme Entre a Luz e a Sombra no festival de cinema “Documenta Madrid”. A diretora contou a enorme dificuldade que teve com o financiamento e a distribuição: “tive que investir do meu dinheiro, de empréstimos. As pessoas (distribuidoras) têm muito medo de sair do formato tradicional de contar uma história. Falta sensibilidade no mercado”. Vi duas vezes o documentário Entre a luz e a sombra, é um grande filme. Participou de vários festivais e ganhou prêmios, entretanto, Luciana tem problemas para lançar o DVD e agora utiliza o sistema de crowdfunding (traduzido literalmente seria “financiado pela multidão”) para arrecadar fundos. Em seu blog, entrealuzeasombrafilme.blogspot.com, se pode comprar um ingresso, como forma de doação, para ver o filme em exibição no dia 21 de julho, em São Paulo. Assim estarão ajudando na viabilização do DVD e o nome de cada pessoa que apoiar a produção será colocado em um ícone, em agradecimento. O princípio do crowdfunding é algo como “um pouco de cada indivíduo, e no final todos saem ganhando”. Luciana Burlamaqui utiliza o próprio blog, entretanto, o que se está expandindo são as plataformas de suporte desta moderna vaquinha.

Vaquinha virtual

Muitas pessoas, muitos artistas – como meu próprio pai Luís Sil- escrevem livros, fazem músicas ou desejam desenvolver projetos, desde artísticos e jornalísticos até educacionais. Porém, como financiá-los? A iniciativa privada olha sempre para os projetos que darão prestígio à marca, com famosos ou pessoas com QI (quem indica). Apresentar um projeto na FUNARTE é outra opção, mas também poucos se beneficiam desta fonte de financiamento. Surge a internet e com ela a democratização da cultura. Entre suas diversas facetas aparece o Crowdfunding. Nos Estados Unidos começa a ser um sistema consolidado, com projetos de êxito em diversas áreas, como cultura, esporte, educação, saúde, jornalismo. Lá se deram conta dessa grande ferramenta e das possibilidades que ela pode fornecer. Aqui na Espanha e no Brasil ainda estamos engatinhando e vale a pena divulgar. A idéia do Crowdfunding é simples: uma pessoa coloca seu projeto em uma plataforma (as plataformas cobram entre 5 e 10% do arrecadado como gasto de gestão), com um mínimo de arrecadação estipulado para a poder realizá-lo. Por exemplo, 10 mil reais para um CD, com um prazo de 3 meses para arrecadar. Neste tempo o dono do projeto pode fazer uma divulgação. Por outro lado a plataforma também ajuda a divulgar. Ao final do período fixado se a quantidade estipulada não for alcançada, o dinheiro de quem doou não será cobrado. Isto é assim porque só se desconta o dinheiro do doador se o projeto alcançar o mínimo exigido para sua viabilidade. Meu projeto é um CD que custará 10 mil reais. No fim dos 3 meses chego a esta quantia. Como recompensa ou agradecimento colocarei o nome de cada doador na ante-capa do meu CD. Sem dúvida farei um show de lançamento e todos que colaboraram terão entradas e uma camisa com o nome do meu grupo. Meu projeto é fictício, porém, assim funciona o Crowdfunding. Quem colabora não estará apenas realizando uma ação filantrópica, todos os projetos devolvem o favor com uma homenagem ou com algum prêmio. Não é fácil chegar a grandes cifras. Tem que ter uma identidade reconhecida dentro de algum grupo, ter um projeto atrativo. Enfim, para iniciar-se neste caminho é preciso informar-se muito bem sobre a melhor maneira de conseguir o objetivo.

Se quiser saber mais clique nas seguintes palavras: crowdfunding 1, crowdfunding 2, crowdfunding 3.

Quer saber onde colocar teu projeto? Clique aqui para ver as plataformas existentes no Brasil.

Publicado en Em português, Opinião | 4 comentarios

“Instigaram para que cometêssemos certos atos”. Entrevista esclarecedora com Bombeiro preso do Movimento SOS Bombeiros (en breve en español)

Bombeiros presos pediam ajuda (foto. blog SOS Bombeiros

A conversa com o Pedro Lima é muito esclarecedora. Formado em enfermagem pela Universidade Estácio de Sá,  bombeiro militar há mais de 12 anos. Casado, com duas filhas. Pedro é uma pessoa calma, serena, com grande clareza de pensamento e enorme consciência coletiva.  Participou nos resgates e limpeza na tragédia das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro, onde trabalhou “incansavelmente” e perdeu  três colegas e amigos. Além de Bombeiro, tem um segundo emprego como enfermeiro, para complementar sua renda. No dia três de junho, sexta-feira, completou seu turno naturalmente em Niterói (2º emprego) e foi ao Rio de Janeiro, para participar da manifestação. Os Bombeiros Militares do Rio de Janeiro lutam desde março por aumento salarial, melhores condições de trabalho e o fim das gratificações. Sexta, dia 3, Pedro se dirigiu a ALERJ (Assembléia Lesgilativa do Estado do Rio de Janeiro) e tomou parte do grupo de aproximadamente 8000 pessoas que ali se concentravam. Posteriormente seguiram em passeata em direção ao Quartel Central do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro.

Por volta das 19:30h aproximadamente cinco mil manifestantes chegaram às portas do quartel central. Pedro conta que a pretensão do Movimento era ser recebido pelo coronel Pedro Marco (então Comandante Geral da instituição): “ele estava dentro do quartel e não nos recebeu. Tomamos a decisão de entrar, até porque temos o direito de entrar em qualquer organização bombeiro militar, desde que a gente se apresente ao superior hierárquico”.

Os Bombeiros se manifestavam pacificamente

A atuação do oficialato do Corpo de Bombeiros e do Governo do Estado foi controversa em diversas fases . Antes da entrada dos bombeiros no quartel, durante a permacência e na posterior prisão dos manifestantes . O ex-coronel da Polícia Militar, Paulo Ricardo Paul, afirmou, em entrevista ao SBT, que a invasão dos bombeiros ao quartel poderia haver sido armada pelo próprio Governador Sérgio Cabral: “O Governador sabia da passeata dos Bombeiros com uma semana de antecedência e não fez nada. Nestes casos, a segurança pública faz uma política de contenção. Além disto, colocou só cinco policiais para evitar a invasão de três mil homens, é a volta de Sparta. Um deles era um coronel comandante. Se tocar, é crime militar”.  Para Pedro Lima eles estimularam e “instigaram para que cometêssemos certos atos”.  Ao chegar no quartel, o cabo Benavente Daciolo, um dos líderes do Movimento, pedia por megafone que os homens da tropa de choque se retirassem da frente do portão: por favor, Choque, se retire, Choque, por favor, não queremos machucar ninguém”.  Os homens do choque se retiraram. O único que permaneceu, “como salvador da pátria a favor do Governo do Estado”, foi um oficial, que fraturou a mão direita. “A gente acredita que ele queria que acontecesse alguma coisa errada, para ser usada contra nós. Não podemos encontrar outra explicação”, afirma Pedro Lima.

Uma vez dentro, enquanto bombeiros militares, bombeiros reformados, senhores, mulheres e crianças esperavam por uma negociação, soou o brado, campainha para alertar que há um “evento” (pedido de socorro). Os bombeiros vêm sendo, desde então, acusados de impedirem o atendimento de socorro. “É outro fato que a gente não concorda. Não impedimos o socorro de sair. Vimos, naquele momento, que era uma situação forjada”. A qualificação bombeiro militar de Pedro Lima é de comunicante. Responsável em receber, registrar e distribuir os eventos. Pedro conta que, ao receber uma chamada de um “solicitante”, ele anota, através de um sistema eletrônico, o nome, telefone e endereço da pessoa. Além da data, horário e um número de ocorrência. No entanto, não foi encontrado nenhum registro de solicitante. Tampouco um número de ocorrência. Além de que na hora do suposto pedido de socorro os manifestantes notaram que apenas alguns oficiais se dirigiam às viaturas, e não todos os componentes que normalmente formam o grupo de salvamento (fato que implicaria uma  trangressão militar) “Não tinha socorro nenhum, eles forjaram”. Para ele, tudo indica que foi uma situação inventada. “Eles ficaram criando situações para jogar a opinião pública contra a gente”. Era próximo de onze e meia da noite na hora da suposta ocorrência e havia umas três mil pessoas no pátio do quartel central. Do lado de fora, trinta homens do batalhão da cavalaria esperavam uma oportunidade para entrar. Se abrissem os portões eles invadiriam, “Aí você imagina, trinta homens montados a cavalo invadindo um lugar destes. Teria sido muito pior do que foi”, conjectura Pedro.

Grande apoio da população

Às duas horas da manhã o Comandante Geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio,  se dirigiu ao pátio onde estavam reunidos os manifestantes presentes no quartel central dos bombeiros: “Venho aqui dar uma opção a vocês: ou saem ou invadimos”.  “Não houve negociação. Às seis horas da manhã eles invadiram”, afirma Pedro.  O fato de ser um Coronel da PM também surpreendeu os Bombeiros: “foi revoltante para a gente, vimos que o nosso oficialato não quis tomar parte. O Governador ignorou a nossa classe”, lamenta Pedro. Muitas pessoas decidiram ir embora. Às seis horas  da manhã o BOPE invadiu o quartel. Neste momento, tinha em torno de  1200  pessoas. Entre elas, famílias, crianças, senhoras e bombeiros reformados. Com o estourar de bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e bombas de efeito moral, muitos se retiraram, para preservar a integridade física dos mais vulneráveis. No quartel permaneceram os 439 bombeiros que, posteriormente, seriam presos.

 Pedro conta, com voz entristecida que, desde o inicio em março, todos os protestos foram pacíficos e ordeiros e que ficaram abismados com “tamanha violência” que usaram contra eles. Questiona também por que a negociação não procedeu: “a gente vê rebeliões em presídios, às vezes demoram 10 ou 15 dias para evacuar o prédio. Por que com a gente foi daquela maneira, tão arbitrária e voraz da parte do Governador do Estado? Foi lamentável, ficamos tristes com a postura dele. Achamos que ele foi displicente ao não criar uma linha de diálogo naquele momento”.  Pedro afirma que não usará palavras que taxem o Governador. Não lhe cabe esta ação e não se permite ficar levantando acusações contra ele, “é um ser humano que erra como outro qualquer. O que espero dele é que coloque a mão na consciência e entenda. Ali havia pais de família, homens de bem que não queriam, de maneira alguma, ver alguém machucado. Somos (os bombeiros) por natureza pacíficos, e temos no coração e na mente que nossa função como bombeiro militar é servir todo tempo a população.”

Bombeiros e BOPE dentro do quartel central

A invasão do quartel central foi executada pelo Batalhão de Operações Especiais (BOPE). O BOPE é uma instituição querida pela sociedade, que ganhou credibilidade ao longo dos últimos anos. Os bombeiros acreditam que o uso do BOPE foi uma jogada política, colocar o amor da população pelo BOPE para combater o amor que o povo tem pelos Bombeiros. Uma tentativa de jogar a opinião pública contra o Movimento SOS Bombeiros. Ademais, existe a suspeita que cada militar do BOPE, que participou na operação, recebera uma gratificação.  Para Pedro, Sérgio Cabral confiou demais na imagem do BOPE, “ele esqueceu de um detalhe: pertencemos a uma instituição que goza de uma credibilidade imensa da população. Ele mexeu em uma caixa de marimbondo”. O normal nestes casos, segundo o ex – coronel Paulo Ricardo Paul, seria utilizar o Batalhão de Choque da Polícia Militar. Os bombeiros acreditam que o Batalhão de Choque se recusou a participar “viram que ia ser uma covardia enorme contra a gente”.  Pedro conta que na hora da invasão do BOPE, dentro do quartel, havia uma linha de seis militares do choque. Passava por eles questionando: “que é isto que vocês estão fazendo? A gente tá aqui lutando com dignidade, por melhores condições de trabalho. Até porque se a gente receber aumento vocês também receberão”. Os quatro primeiros não falaram nada. Os dois últimos, entretanto, olharam no olho de Pedro e moveram a cabeça para baixo, batendo com o cassetete no chão. Este sinal, quando estão em batalha, significa rendição. “Os homens do choque não aceitaram aquela situação”, aponta Pedro.

Bombeiros sao levados presos em ônibus

Os 439 bombeiros que resistiram no quartel central foram presos e levados à corregedoria da polícia, em São Gonçalo. No dia seguinte (domingo) transferiram a maioria dos bombeiros para o ginásio poliesportivo do do 2º Destacamento pertencente ao 3º Grupamento BM de Niterói, em Charitas. Os militares apontados como líderes foram separados do grupo e transferidos ao Grupamento Especial Prisional do CBMERJ. Os bombeiros permaneceram presos de quatro de junho até sábado 11 de junho. O desembargador Cláudio Brandão de Oliveira, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, expediu o habeas corpus, 7 dias depois da prisão. O Movimento SOS Bombeiros luta agora pela anistia.

Não obstante, eles estão acusados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de motim, dano em material ou aparelhamento de guerra, dano em aparelhos e instalações de aviação e navais, e em estabelecimentos militares.  A Ouvidoria de Justiça Militar do Estado do Rio de Janeiro aceitou a denúncia do Ministério Público Estadual. Os bombeiros acreditam que conseguirão a anistia e que um julgamento não será necessário. Caso haja uma apuração, Pedro Lima afirma que estão confiantes e não vê problemas em provar a inocência. Segundo Pedro, o processo está muito controverso e apresenta diversos erros. As irregularidades foram apontadas pelo deputado federal Protógeno Queiros –o mesmo que denunciou o caso Daniel Dantas-, representante da Comissão de Segurança Pública da Câmara Federal. A primeira de todas é a questão da comunicação do flagrante. Assim como o código civil, o código militar exige que se informe em um prazo de 24 horas. A informação de flagrante só foi protocolada na Ouvidoria Militar no final da tarde de segunda e recebida na terça, dia sete de junho. Três dias depois do prazo. Quem deu a ordem de prisão é outra irregularidade no processo. Segundo o regulamento militar, só poderia dar ordem de prisão um oficial superior hierárquico da instituição em questão, os Bombeiros Militares. Quem deu a ordem de prisão foi um oficial da polícia militar.  Mais irregularidades, a nota de culpa. Pedro assinala que, para não assumir os crimes que os acusavam, ninguém assinou a nota de culpa. Entretanto, ela foi apresentada. Neste caso, seria necessária a assinatura de duas testemunhas que estiveram presentes no quartel. A nota de culpa não foi assinada, está em branco. Segundo Pedro, a acusação de motim também é discutível: “a gente em momento algum se amotinou. Simplesmente ocupamos as dependências do quartel central, pacificamente. Motim é quando se vai contra as normas, leis o regulamento. A gente não se negou a respeitar a autoridade. No máximo poderia haver uma apuração administrativa, por havermos forçado os portões”.  Outro erro apontado, todos os bombeiros foram enquadrados, de forma geral, nos mesmos artigos: motim, apedrejamento, destruição de patrimônio público. Pedro se pergunta como provarão que um depredou, outro não, um se amotinou, outro não. Insiste no tema da depredação e destruição de patrimônio público e militar. Para ele, é questionável quem destruiu ou avariou os bens. Na hora de invasão jogaram bombas de efeito moral e de gás. Além de haver vídeos que demonstram que o BOPE atirou, com fuzil, nas viaturas do corpo de bombeiros. Resignado e com certa aflição, explica que nunca tiveram nenhuma intenção de destruir nenhuma ferramenta. Sabem da dificuldade de chegar ao local de trabalho e não ter disponível os meios suficientes. Muito menos ver um bem da população destruído. “A gente sabe o quanto um cidadão trabalha e se esforça para pagar seus impostos. A última irregularidade assinalada por Protógeno Queiros e corroborada pelos bombeiros diz respeito às condições da posterior prisão. Em um primeiro momento foram levados à Corregedoria de Polícia em São Gonçalo. Chegaram por volta do meio dia de sábado e ficaram sem alimentação e “amontoados” em ônibus, se revezando no chão para descansar. Depois a grande maioria foi transferida para 2º DBM/3ºGBM do corpo de bombeiros, em Niterói. Os bombeiros se alternavam em colchões e tiveram dificuldade para falar com seus advogados. Pedro revela que disponibilizaram apenas oito ou nove vasos sanitários: “imagina, oito ou nove vasos sanitários para 430 homens. Fazíamos faxina dez vezes ao dia, para manter uma condição mínima para a gente”.

SOS Bombeiros

Uma semana depois da prisao, terminou a aflição dos bombeiros presos e de suas famlias. Libertados, voltaram para casa junto as suas mulheres e filhos. Porém, a luta seguirá. Incialmente a batalha será pela anistia, logo pelas reivindicações do Movimiento SOS Bombeiros. Pedro Lima manda uma mensagem ao povo: “Agradecemos muito a população, pelo mundo afora, sem ela a gente nao tinha dado este passo grande. O Movimento SOS Bombeiros nao vai parar, seguiremos lutando”.

*Importante: para garantir a segurança do entrevistado e sua família foi utiliado o nome fictício  Pedro Lima.

Publicado en Em português, Entrevistas | 3 comentarios